Sobre Aparelhos Auditivos

Aparelhos auditivos retroauriculares são os melhores para crianças menores. Dependendo da perda auditiva do seu bebê, pode ser apropriado trocar o modelo do aparelho auditivo quando ele se tornar um adolescente.

Se você quer que seu filho desenvolva habilidades de fala e linguagem, ele precisará ser exposto constantemente ao som. Seu bebê deve usar o aparelho auditivo desde a hora em que acorda até a hora de dormir. Alguns bebês preferem usar seus aparelhos auditivos até na hora do cochilo.

Se seu bebê engolir a pilha do aparelho auditivo acidentalmente, procure um hospital imediatamente.

Você deve olhar o molde todos os dias para ver se precisa ser limpo. Os passos básicos incluem remover o molde do aparelho auditivo, limpá-lo e secá-lo antes de recolocá-lo no aparelho. Deve ser removido do aparelho auditivo e completamente limpo semanalmente ou a cada duas semanas. Diariamente, o aparelho auditivo e o molde devem ser limpos. É importante não molhar o aparelho auditivo, pois isso pode danificá-lo.

Fornecer estimulação auditiva o mais cedo possível é muito importante. Seu profissional de saúde auditiva está familiarizado com os “recursos” que um aparelho auditivo deve ter para o tipo, grau e forma da perda auditiva do seu filho. Esse profissional será capaz de discutir as opções que atendem as necessidades do seu filho.

Microfonia é o som de apito que o aparelho auditivo faz. O molde talvez tenha ficado muito pequeno ou o aparelho auditivo pode não ter sido acomodado corretamente no ouvido. Microfonias casuais podem ocorrer quando você abraça seu filho. Isso é causado pelo “vazamento” do som amplificado. Isso também pode acontecer devido ao excesso de cera no canal do ouvido. Objetos próximos ao microfone do aparelho auditivo também podem causar microfonia. Avise o profissional de saúde auditiva se estiver tendo problemas com microfonia.

Conhecer outros pais de crianças com perda auditiva na sua comunidade pode ser muito importante. Eles sabem o que você está passando e podem fornecer informações que podem ajudá-lo. Algumas comunidades têm organizações das quais você pode participar para fazer esses contatos. Se você está trabalhando com um programa público ou com serviços públicos de intervenção precoce, eles talvez possam ajudar. Às vezes, os profissionais que trabalham com o seu filho podem ajudar você a fazer esses contatos. Também existem muitos grupos de apoio e fontes de informação disponíveis na Internet. Muitas organizações têm fóruns para discussão na Internet, salas de bate-papo, e-mail e listas de debates feitas para pais, irmãos e outros.

Aparelhos auditivos não são uma cura para a perda auditiva. Se seu filho tem perda auditiva e esta não pode ser melhorada cirurgicamente, aparelhos auditivos talvez sejam recomendados. Se este for o caso, seu filho irá querer usar aparelhos auditivos pelo resto da vida, pois ele obterá muitos benefícios, como auxílio no desenvolvimento da audição, da fala, da linguagem e de outros sons importantes do mundo.

Existem muitas técnicas que podem ajudar a manter o aparelho no lugar ou evitar perdê-lo. Isso inclui o uso de fita dupla-face hipoalérgica, aparelhos auditivos Huggie e presilhas com bichinhos. Se seu bebê retirar o aparelho auditivo, coloque-o de volta no ouvido dele. Se seu bebê se incomodar, espere alguns minutos antes de tentar novamente. O objetivo é ensinar seu bebê a ouvir e aprender novos sons usando o aparelho auditivo. Desde que os aparelhos auditivos estejam ajustados corretamente, a maioria das crianças irá querer usá-los o dia todo, pois de outro modo sentirão que estão perdendo algo. Se a criança tira constantemente o aparelho auditivo, talvez seja bom verificar com o profissional de saúde auditiva se não há infecção no ouvido ou um pequeno problema de ajuste.

Quando os bebês são muito novos, o tamanho dos seus ouvidos muda rapidamente. Os moldes talvez precisem ser substituídos mensalmente ou depois de alguns meses. Conforme seu bebê cresce, o tempo de duração de cada molde se torna maior. Crianças mais velhas talvez precisem de novos moldes aproximadamente a cada ano.

Isso é melhor discutido com seu profissional de saúde auditiva ou com o médico de seu filho. Países diferentes têm leis e procedimentos diferentes.

Se o seu filho tem perda auditiva nos dois ouvidos, ele precisará de dois aparelhos auditivos. Se a perda for em um ouvido, apenas um aparelho pode ser necessário. Ser capaz de ouvir por ambos os lados é importante para a localização, para ouvir à distância e para ouvir ruídos de fundo. Limitar o uso do aparelho auditivo a um ouvido, quando há perda nos dois ouvidos, limita a capacidade de seu filho ouvir o melhor que ele pode. Além de privar o cérebro da estimulação necessária para se desenvolver adequadamente.

Inicie cada dia com uma verificação de audição. Coloque o aparelho auditivo no ouvido do seu filho assim que ele acordar. Mantenha o aparelho auditivo no ouvido do seu filho durante o dia todo. Sua meta é o uso em tempo integral do aparelho auditivo. Pode ser proveitoso manter um calendário do uso diário do aparelho auditivo para compartilhar com seu profissional de saúde auditiva.

Sobre Zumbidos no Ouvido

O Tinnitus, conhecido popularmente como zumbido no ouvido, é um barulho insistente e incômodo no ouvido, quando não há nenhum ruído no ambiente. O som é semelhante ao ruído de um apito, cigarra ou cachoeira e pode ocorrer em apenas um dos ouvidos.

As causas do zumbido no ouvido são variadas. A única certeza é que o problema é um sinal de alerta e deve ser investigado. Entre as principais causas estão alterações no metabolismo ou cardiovasculares, problemas de mastigação, abuso de cafeína, doces e alimentos gordurosos e problemas musculares. Porém, problemas auditivos são a origem mais comum do zumbido.

Não! Ao contrário do que muita gente pensa, o zumbido não é uma doença, mas um sintoma de que o organismo está com um problema. Por isso, é fundamental buscar uma avaliação médica aos primeiros sinais do problema. Existem exames específicos que podem medir a intensidade e a frequência do zumbido.

Não, o zumbido no ouvido pode afetar pessoas de todas as faixas etárias, até mesmo crianças. No entanto, a incidência é maior entre adultos e principalmente idosos. De acordo com estudo da Associação Americana de Zumbido, de cada quatro idosos acima de 70 anos, pelo menos um convive com o Tinnitus.

Sim e vai depender da causa que originou esse sintoma. O tratamento pode incluir medidas simples como a remoção de cera que pode estar obstruindo o ouvido, o uso de antibióticos para tratar a infecção ou a colocação de um aparelho auditivo para melhorar a perda de audição.

Existem três diferentes tipos de zumbido: subjetivo, o mais comum e que se refere aos sons que apenas o paciente pode ouvir; o objetivo, casos raros em que o zumbido pode ser ouvido pelo próprio médico durante o exame de diagnóstico; e o somático, que normalmente está relacionado com o sistema sensorial do corpo.

Sim. Como já vimos acima, além de estar relacionado a problemas auditivos, o zumbido pode estar associado a alterações no metabolismo (hipoglicemia, intolerância à glicose, diabetes), problemas hormonais e circulatórios, distúrbios da articulação da mandíbula (travamento da mordida, ranger de dentes), ou contratura dos músculos do pescoço.

Embora o zumbido no ouvido seja um sinal que pode indicar perda auditiva, isso não quer dizer que todas as pessoas com zumbido terão alguma dificuldade auditiva. Geralmente a surdez é que causa o zumbido, e não o inverso.

Além de cuidar da alimentação, outras medidas específicas que auxiliam no cuidado com a saúde auditiva são evitar utilizar hastes de algodão (cotonetes) para limpar os ouvidos, não usar fones de ouvido com o volume muito alto e utilizar protetor auricular ao se expor a barulhos intensos e contínuos.

Sim. Pesquisas apontam que o abuso de cafeína, doces, álcool e alimentos gordurosos tendem a acentuar os incômodos do zumbido. Por isso, ter uma alimentação saudável e balanceada contribui para evitar o incômodo.

Sobre Implantes cocleares

Um implante coclear é um dispositivo que ajuda pessoas surdas ou com problemas graves de audição a ouvir. Ele tem uma parte interna e uma externa. A parte interna é colocada sob a pele atrás da orelha e dentro da orelha interna pelo médico. A parte externa inclui um microfone e um processador de fala e é usada fora do ouvido.

Um aparelho auditivo é um dispositivo que amplifica o som e é usado no ouvido. Um implante coclear é um dispositivo que amplifica um sinal elétrico e é implantado na cóclea (orelha interna) por meio de um procedimento cirúrgico.

Colocar um implante coclear é um passo grande. Aprenda tudo o que puder sobre implantes cocleares e converse com outras pessoas sobre implantes:
Converse com a equipe de implantes cocleares sobre como isso ajudará seu filho. Se há mais de um centro de implantes perto de você, fale com todos.

Converse com outros pais de crianças que colocaram implantes cocleares sobre suas experiências.

Converse com outras pessoas surdas sobre implantes cocleares. Pense em quais são as suas metas para o seu filho. Pergunte-se como você acha que um implante coclear ajudará seu filho a atingir essas metas.

Um implante coclear não é uma cura milagrosa para a perda auditiva. O implante, sozinho, não ajudará seu bebê a aprender como falar. O implante coclear apenas fornece ao seu filho a oportunidade de ouvir sons. O trabalho de verdade começa após o implante. Você passará muitas horas praticando habilidades de audição e linguagem antes do seu bebê aprender a falar. A qualidade e a quantidade da prática de linguagem e audição irá determinar quando e o quão rápido seu bebê aprenderá a falar.

Como qualquer cirurgia, existem riscos que você deve conhecer. Tenha em mente que a maioria dessas operações não apresentam problemas. Seu médico deve explicar todos os riscos a você.

A abordagem em equipe é usada em muitos centros de implante. As pessoas da equipe avaliarão seu filho e sua família para ver se um implante coclear é uma boa escolha. Aqui está uma lista de pessoas que podem estar na equipe:

Um profissional de saúde auditiva testará a audição do seu filho com e sem aparelhos auditivos

Um patologista de linguagem e fala testará as habilidades de linguagem do seu filho.

Um otorrinolaringologista verificará se seu filho tem alguma infecção ou outro problema que poderia interferir no implante. O médico talvez peça uma ressonância magnética ou uma tomografia computadorizada para ver a estrutura da orelha interna.

Um professor ou consultor educacional conversará com você sobre os programas educacionais para seu filho.

Um assistente social dirá a você se sua família será capaz de lidar com o esforço necessário. O assistente social pode, também, ajudar você a resolver a questão do pagamento do implante.

Um psicólogo falará com você e com seu filho sobre suas metas, preocupações e medos envolvendo o implante coclear.

Uma criança que possui um implante em um ouvido e perda auditiva severa sem amplificação no outro, pode escutar somente com um ouvido. Tente tapar um ouvido quando estiver conversando com um amigo em um ambiente barulhento e você notará rapidamente que torna-se difícil entender o que seu amigo está dizendo. Usar os dois ouvidos torna mais fácil ouvir em situações ruidosas e localizar de onde vêm os sons. Seu filho não poderá aproveitar essas vantagens se estiver ouvindo com amplificação apenas em um ouvido.

Além disso, se o seu filho não fizer uso da audição restante do ouvido não implantado, esse ouvido pode, gradualmente, perder sua capacidade de analisar sons. Sem amplificação, o ouvido não é estimulado pelos sons e não será capaz de funcionar tão bem se e quando seu filho precisar contar com ele no futuro.

Sobre Sistema FM

Alguns usuários de aparelhos auditivos digitais acham que a qualidade sonora foi aprimorada e o ruído de fundo tão reduzido que sentem que não precisam mais da ajuda de um sistema FM pessoal. No entanto, um sistema FM ainda apresenta grandes vantagens em relação a aparelhos auditivos em uma sala de aula. Usar sistemas FM reduz os efeitos de reverberação (eco) e a distância entre o professor e a criança, o que para um aparelho auditivo sozinho é difícil de lidar. Converse com um professor especialista em crianças com deficiência auditiva sobre como seu filho se sairá com e sem o sistema FM.

O sistema FM pode ser crucial para o desenvolvimento do seu filho desde muito cedo se ele está enfrentando problemas com ruídos, reverberação e audição à distância. Embora especialistas recomendem introduzir o uso do sistema FM quando a criança começa a ter mobilidade isso basicamente depende de quando a família está pronta, o que pode ocorrer já aos seis meses.

O principal benefício é alcançado ao fornecer um sistema FM para o seu filho. Evidências científicas mostram que a transmissão aos dois ouvidos traz benefícios significativos, e dados científicos mostram que a inteligibilidade de fala aumentou em 40% quando dois receptores FM foram usados em vez de um (Valente, Enrietto, Crandell, Lewis [2002]).

Sim, é possível. Pessoas com implantes cocleares experimentam a mesma dificuldade dos usuários de aparelhos auditivos em ambientes que dificultam a audição. Os receptores Phonak estão disponíveis em diferentes configurações dependendo do processador de fala.

Sistemas infravermelhos usam luzes infravermelhas para transmitir o sinal de áudio. Quando essa luz é bloqueada, o sinal não pode ser ouvido. Dessa forma, sistemas infravermelhos estão sujeitos a ter seu caminho obstruído por pessoas ou objetos. E, sistemas infravermelhos não funcionam sob a luz do sol.

Sistemas FM podem transmitir através de objetos e funcionar eficientemente tanto sob o sol como em ambientes fechados. Sistemas FM não necessitam de instalação.